Sites para advogados: tudo o que você precisa saber

Como já falamos aqui no blog, um site é uma espécie de portfólio digital. A partir da criação de um website, empresas conseguem se destacar e captar mais clientes. Pode ser que muitas pessoas cheguem ao seu canal por indicação, mas para isso, com certeza eles fizeram uma busca na internet antes de fazer um agendamento. 

Um site próprio é a sua marca representada na internet e pode gerar grandes performances online. É essencial que profissionais da área jurídica criem suas identidades digitais para demonstrar de forma clara o tipo de serviço que oferecem. 

Esse website exclusivo pode ser feito de diversas maneiras, mas para não perder a oportunidade de ter uma boa presença online, a indicação é contar com a ajuda de profissionais capacitados para desenvolver a criação do site. O trabalho realizado por quem realmente possui conhecimento sobre o que é necessário para se destacar, fará com que você ganhe ainda mais credibilidade. 

O site próprio é o primeiro contato que possíveis parceiros terão com o seu trabalho e, portanto, esse cartão de visita digital vai muito além de uma página bem apresentada online. Logo, se você ainda não sabe a importância e como fazer um site exclusivo para advogados e escritórios de advocacia, confira esse passo a passo com tudo que é preciso saber: 

  1. 3 motivos para criar um site de advogados ou escritórios de advocacia;
  2. Código de ética da OAB sobre sites de advocacia; 
  3. Como criar um site para profissionais do direito;
  4. Principais funcionalidades que devem estar presentes em um site jurídico;
  5. SEO para sites de advogados ou escritórios de advocacia;
  6. Quanto custa um site para advogados no momento;
  7. Diferenças entre criar um site por conta própria e contratar uma empresa.

1 – Os 3 principais motivos para criar um site de advogados ou escritórios de advocacia

1.1)  Visibilidade a qualquer momento

Qual a primeira coisa que você faz quando quer resolver um problema? Pesquisar no Google. E você não está sozinho.

Segundo a Exame, 92% dos brasileiros pesquisam na internet antes de contratarem serviços e realizarem compras. Além disso, 76% dos internautas entrevistados afirmam que procuram essas informações em fóruns ou blogs. 

Se você quer conquistar mais contratações de serviços, mesmo que não esteja presente fisicamente, estar ativo online é a melhor saída.

1.2) Autoridade na área jurídica 

Um advogado sem um site, em pleno 2021, é como um advogado usando roupas casuais. Seus clientes vão achá-lo amador e irão procurar a concorrência (provavelmente no Google). 

A construção da presença digital e desenvolvimento de autoridade são feitas, necessariamente, por meio de um site próprio e não nas redes sociais. Esses canais de interação social são úteis para humanizar o profissional e compartilhar rotinas, mas o consumo de conteúdo nos mesmos é rápido e as publicações desaparecem facilmente. 

Os consumidores de redes sociais pesquisam no site de uma empresa quando precisam de informações mais “institucionais”. É por meio desse canal que o cliente em potencial checa tudo aquilo que considera mais importante para uma possível contratação e decide se realiza o contato com o advogado ou escritório. 

O seu principal foco de energia deve ser a construção de um website que possua identidade única, porque é justamente isso que conquista a confiança de clientes e autoridade na área, uma vez que transmite mais segurança para o consumidor, colegas de profissão, etc. É por meio de um site que um advogado ou escritório de advocacia pode ressaltar informações como valores, equipe, projetos e muito mais. Vamos falar um pouquinho sobre isso daqui a pouco, ok?

1.3) Marketing de conteúdo em sites para advogados e escritórios de advocacia

Diversas portas são abertas quando um profissional ou empresa possui um site próprio. Quando falamos de advogados ou escritórios de advocacia, um domínio permite a construção de uma imagem profissional sólida, e em conjunto com a presença digital, é possível realizar um bom marketing de conteúdo.  

Com a criação de um site, trabalhadores da área jurídica podem apresentar informações ligadas ao lado institucional do escritório, mas também utilizar um espaço da página para fazer um blog. Essa área permite que seus clientes compreendam que você é moderno e capaz de apresentar as atualidades das causas que atua. 

O blog é uma ótima opção para exercer o marketing de conteúdo de advogados ou escritórios de advocacia, porque é possível fazer divulgações informativas jurídicas como guias, artigos, dicas, etc. Com isso, os profissionais da área podem estabelecer uma relação de fidelidade com seus consumidores e demonstrar que possuem um alto grau de conhecimento sobre tudo que envolve o universo do direito e, consequentemente, construir sua autoridade. 

Vamos aprofundar nesse assunto mais à frente também, ok?

2 – Código de ética da OAB sobre sites de advocacia

Imagem do símbolo do Direito: uma figura feminina de bronze segurando uma balança.
Foto: Pexels

Um site jurídico envolve questões mais complexas que para outras áreas, uma vez que devem os profissionais de advocacia seguir normas do Código de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil. Essa entidade faz algumas restrições no que diz respeito ao conteúdo que pode ser publicado nas páginas jurídicas. 

De acordo com a OAB, um site para advogados ou escritórios de advocacia não podem conter mercantilização da profissão, ou seja, a publicidade jurídica deve ser informativa e discreta, de forma que o foco não deve ser a captação “agressiva” de clientes e autopromoção. Além disso, também é preciso estar atento a não incentivar o litígio, autopromoção e respeito ao sigilo profissional. 

O site pode ser utilizado como publicidade advocatícia e, desta forma, o Código de Ética e Disciplina prevê tópicos que podem constar em uma página jurídica. Entre eles estão: 

  • Nome do advogado ou da sociedade;
  • Número ou números de inscrição na OAB;
  • Títulos acadêmicos;
  • Instituições jurídicas que o advogado ou escritório faz parte;
  • Especialidades;
  • Informações para contato;
  • Fotografia do escritório;
  • Horário de atendimento. 

Conforme o Código de Ética e Disciplina da OAB, entre os principais cuidados que advogados e escritórios de advocacia devem tomar ao criar um site, estão: 

  • Menção a clientes ou assuntos profissionais de sua responsabilidade;
  • Referência a cargos que tenha exercido;
  • Uso de expressões persuasivas; 
  • Divulgação de valores dos serviços;
  • Títulos acadêmicos não reconhecidos.

Também são vedadas pela OAB algumas práticas nos meios de comunicação como o debate de causas de outros profissionais, respostas a consultas sobre matérias jurídicas e insinuação para reportagens e/ou declarações públicas. 

Vale ressaltar que a publicidade jurídica é uma ferramenta que advogados e escritórios de advocacia podem utilizar para divulgar seus negócios, mas o Código de Ética da OAB garante algumas penalidades rigorosas aos profissionais que violam suas normas. Portanto, tenha em mente tudo aquilo que pode ou não ser feito.

3 – Como criar um site para profissionais do direito

Imagem de duas pessoas analisando dados em folhas de papel em uma mesa com alguns itens espalhados, como notebooks, lapiseiras e mouse.
Foto: Unsplash

Agora que você já sabe o que é permitido ou não em um site jurídico, conforme o Código de Ética da OAB, vamos falar sobre como criar um site para advogados ou escritórios de advocacia?

3.1. Registro de domínio do site

O domínio nada mais é que o endereço de um site na internet, o qual direciona os usuários ao trabalho de qualquer empresa ou profissional. É por meio dessa identificação na web que advogados ou escritórios de advocacia podem se apresentar e oferecer serviços a clientes e parceiros. 

Na maioria dos casos, os domínios são uma junção do nome do escritório e da extensão, por exemplo, “empresaxx.com.br”. Caso a denominação do seu negócio seja grande, uma sugestão é fazer o uso apenas das iniciais da sociedade. Vale ressaltar que não é possível incluir pontos nem espaço. 

Depois de pensar no domínio, é a hora de consultar a disponibilidade do nome. Para realizar essa pesquisa, é aconselhável buscar a denominação nos sites godaddy.com ou no registro.br, que é responsável pelas atividades de registro e manutenção dos domínios que usam o “.br” no país. 

Caso o nome escolhido pertença a outro advogado ou escritório de advocacia, será necessário pensar em um que seja exclusivo. A partir do momento que isto é feito, outras pessoas não poderão utilizá-lo, o que pode evitar até mesmo processos por direitos autorais

Após realizar a consulta, você deve efetuar a compra do domínio. No registro.br, essa opção aparece logo em seguida da busca. Para obter o nome do site, basta preencher todos os campos com as informações solicitadas e fazer o pagamento. 

Geralmente, o registro de um domínio custa aproximadamente R$ 40,00 anuais e pode possuir validade de 1 a 10 anos. Portanto, não se esqueça das datas de renovação, pois caso o pagamento não seja efetuado, você poderá perder o nome do seu site.

3.2. Hospedagem 

Após fazer o registro do domínio, é necessário definir qual será a hospedagem do mesmo, que é o local da internet em que seu site ficará armazenado. É nela que serão depositados todos os arquivos essenciais à acessibilidade da página aos usuários, como códigos, textos e imagens. Caso você compre o nome, mas deixe de hospedá-lo, quando uma pessoa pesquisar pelo endereço na web, ele estará “fora do ar”. 

É possível contratar serviços de hospedagem por conta própria, no entanto, aconselhamos que isso seja feito por meio de empresas. Isso porque conforme o número de acessos aumenta, é demandado um profissionalismo nas manutenções. Mas vamos falar sobre isso mais à frente, ok?

Os serviços de hospedagem mais utilizados pelas pessoas são o Hostgator, KingHost, GoDaddy e Digital Ocean. Faça uma pesquisa para escolher qual é o que mais está alinhado com seus objetivos. 

3.3. Plataforma

Existem algumas opções de plataformas no mercado que oferecem serviços de criação de site. O mais famoso é o WordPress, que além de ser fácil de utilizar, possibilita melhor compreensão. Também é importante considerar os layouts oferecidos para que sua página na web possua uma aparência “agradável”. 

Outro fator que deve ser levado em conta é a otimização do site para smartphones. A maioria das páginas criadas por pessoas que não são profissionais, não são adequadas para celulares, o que faz com que os advogados e escritórios de advocacia percam acessos, uma vez que a maioria do tráfego é realizado por meio desses dispositivos. 

4 – Principais funcionalidades que devem estar presentes em um site jurídico

Imagem com foco em um martelo utilizado por juízes em julgamentos nos tribunais e, ao fundo, uma pessoa mexendo em um notebook em desfoque.
Foto: Pexels

Os profissionais do direito podem usar uma página na web para disponibilizar todas as informações essenciais a respeito de seus trabalhos para clientes e parceiros em potencial. 

Como já falamos anteriormente, um site para advogados ou escritórios de advocacia deve possuir um caráter mais institucional, ou seja, o conteúdo da página deve ser informativo e agregar valor. É necessário que sejam disponibilizadas informações a respeito, por exemplo, do escritório ou profissional, da equipe, áreas de atuação, contato e localização, área do cliente e, é claro, o blog.

4.1. Escritório

Nessa parte, você pode contar um pouco sobre a história da associação de advocacia, sua fundação, missão e valores. Isso permite que as pessoas que acessam o site possam compreender a estrutura do negócio.

Infelizmente, não é permitido disponibilizar todas as informações sobre o escritório de advocacia, mas você pode utilizar fotos e vídeos do espaço para se aproximar dos clientes. No entanto, antes de divulgar esse conteúdo, verifique se ele condiz com seu público alvo. 

Lembre-se também de utilizar uma linguagem que seja compreensível para leigos, ou seja, evite o “juridiquês”. A grande maioria de seus clientes não sabem o significado de palavras em latim, portanto, faça com que a mensagem que você deseja transparecer nessa parte tenha fácil entendimento para qualquer usuário que navegar na sua página. 

4.2. Equipe e áreas de atuação

Apresente os trabalhadores que compõem a equipe. Aproveite para informar seus nomes, números de registro na OAB, trajetórias acadêmicas e profissionais. Ao fazer isso, você instiga a confiança dos clientes com seu serviço. 

Deixe que os visitantes saibam quais áreas do direito você ou seu escritório atuam. Caso trate-se de uma empresa, apresente os advogados que trabalham em cada uma delas. É possível também, por exemplo, fazer uma descrição, ainda que pequena, sobre as especialidades para que os clientes compreendam a funcionalidade das mesmas. 

4.3. Contato e localização

Nessa área é necessário informar todas as possibilidades de contato como endereço do escritório físico, telefones, horários de atendimento, e-mail, etc. Você também pode direcionar o cliente para as redes sociais da empresa e, caso os tenha, até mesmo canais no Youtube, podcast, etc. 

Isso permite que os possíveis parceiros se envolvam com o trabalho realizado. Além disso, não se esqueça de reservar um espaço para um contato direto, como por exemplo, uma caixa de e-mail.

Você também pode disponibilizar um mapa com a localização física do escritório, utilizando até mesmo a ativação por GPS, o que irá direcionar o usuário até a rota exata do endereço. Tudo isso permite que o cliente esteja cada vez mais próximo de contratar seus serviços.

4.4. Área do cliente

Conforme a programação do site utilizada, é possível criar uma área privativa para o cliente. Nesse espaço, você pode disponibilizar um login e senha de acesso, onde estarão as informações sobre processos, dados de tramitação, mensagens da equipe do escritório, etc. 

Apesar de não ser uma ferramenta tão comum, é estabelecida uma relação de transparência e confiança com os clientes. Isso pode promover maior credibilidade para o trabalho desenvolvido pelo advogado ou escritório de advocacia.

4.5. Blog

Por último, mas não menos importante, o blog é uma das áreas de um site jurídico que mais deve ser explorada. É aqui que podem ser publicados artigos, atualizações das leis e quaisquer conteúdos informativos, com o objetivo de garantir sua autoridade diante dos atuais e potenciais clientes, e até mesmo de outros profissionais. 

Como a única forma de publicidade para advogados ou escritórios de advocacia é a informação, criar um blog é essencial para que seus serviços sejam destacados em buscas na web. Os conteúdos devem ser atualizados com frequência e abordar temas de dúvidas gerais e que estejam em repercussão na mídia.

5 – SEO para sites de advogados ou escritórios de advocacia

Imagem de uma pessoa avaliando informações em um notebook, com uma caneca, caneta e lapiseira ao lado.
Foto: Unsplash

Uma das estratégias mais eficazes do marketing digital para atrair usuários a um site e fazer com que ele apareça entre os primeiros resultados de busca orgânica, de forma gratuita, é a utilização das técnicas de SEO (Search Engine Optimization). Para as páginas jurídicas na web, existem alguns modos de aplicar essas ferramentas em mecanismos de pesquisa como o Google, Yahoo!, Bing, etc.

Existem diversas técnicas que podem potencializar os acessos a um site jurídico, mas aqui vamos pontuar as principais, ok? 

No que diz respeito à estrutura, é possível fazer o uso de palavras-chave, intertítulos (conhecidos como h2, h3, h4, etc), copywriting, negritos e itálicos, texto direto, link building. Agora falando de recursos, você pode anexar ao site mídias em geral, como infográficos, vídeos, imagens, áudios.

O uso de todas essas técnicas em um site para advogados ou escritório de advocacia, principalmente em conjunto, permitem que a página possua uma boa posição nas páginas de pesquisa e, consequentemente, ganhe mais acessos. 

6 – Quanto custa criar um site para advogados no momento

Imagem de moedas, folhas de papel, caderno, pasta e um porquinho de dinheiro em uma superfície de madeira iluminada.
Foto: Pexels

O custo de um site jurídico varia de acordo com a forma de criação do mesmo. Algumas plataformas de hospedagem possuem planos mensais, semestrais, anuais, etc. Os valores para manter a página no ar, geralmente, são a partir de R$ 12,50. Também existem sites na internet específicos para advogados ou escritórios de advocacia que requerem investimentos iniciais pelo valor de R$ 25. 

No entanto, o valor médio real de um site jurídico de qualidade gira em torno de 3 a 5 mil reais, pois pode variar conforme a quantidade de páginas ou da complexidade de programação. Além disso, os custos não envolvem apenas a criação de uma página, isso porque são necessários serviços de manutenção e atualização.

7 – Diferenças entre criar um site por conta própria e contratar uma empresa

Imagem de duas mãos se apertando.
Foto: Unsplash

Criar um site para advogados ou escritórios de advocacia por conta própria é possível, mas não é recomendado. Ao optar por realizar o serviço sozinho, você deve ter em mente que é uma tarefa complexa e que será necessário aprender diversos conceitos sobre as funcionalidades e ferramentas para o desenvolvimento de uma página na web. 

A princípio, criar um site por conta própria pode não parecer tão difícil, mas aplicar todas as questões relacionadas às configurações, pode exigir mais trabalho que o esperado para quem não possui experiência na área. Além disso, a estética visual da página pode ser comprometida e, caso seu objetivo seja transmitir uma boa imagem e credibilidade, é necessário investir em um web design de qualidade, o que é feito por profissionais especializados. 

Portanto, a indicação é contratar um serviço capacitado para isso. Existem diversas opções no mercado que oferecem um site completo em pouco tempo, além de garantir o uso de todas as técnicas necessárias ao impulsionamento do website. Se você quer um parceiro que desenvolva trabalhos de qualidade e por um preço justo, a melhor opção é a Simpplim! 

Sites para advogados: tudo o que você precisa saber
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments